Esquadrão Falcão leva vacinas a aldeias indígenas Yanomami

0
1

Militares do Primeiro Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (1º/8º GAV), Esquadrão Falcão, sediado na Ala 10, em Parnamirim (RN), operando uma aeronave H-36 Caracal, realizaram o transporte de vacinas para a população indígena em aldeias Yanomami. Nesta etapa, as ações ocorreram de 03 a 13 de fevereiro. As missões foram realizadas como parte da Operação COVID-19, deflagrada pelo Ministério da Defesa, em apoio às ações do Governo Federal para o combate à pandemia causada pelo novo Coronavírus e suas consequências.

Engajadas na Operação COVID-19, equipagens (helicópteros e tripulações) do Esquadrão Falcão foram deslocadas para Surucucu (RR) desde o dia 1º de fevereiro, quando os militares passaram a transportar profissionais de saúde, vacinas e insumos médicos para atender aos povos indígenas que habitam a região montanhosa da floresta Amazônica, entre o norte do Amazonas e de Roraima e o sul da Venezuela.

No dia 03 de fevereiro, o helicóptero de matrícula FAB 8513 realizou duas surtidas, decolando de Surucucu (RR) com destino às Aldeias Araciki e Hewetheou, respectivamente, transportando seis profissionais de saúde e 560 quilos de carga, entre insumos médicos e vacinas contra a COVID-19. No dia 05, foi realizada a retirada das equipes de saúde, que permaneceram dois dias nas aldeias Yanomami. Em seguida, mais voos foram acionados nos dias 8, 9 e 10, contemplando as aldeias de Araciki 1 e 2, Turemau, Hewetheou, Wathou e Xiothou, distribuindo um total de 387 doses de vacinas, número correspondente ao total de habitantes das aldeias.

Regiões de difícil acesso

O objetivo dessas missões é viabilizar a assistência de saúde a esses povos que ocupam regiões de difícil acesso, locais em que apenas aeronaves de asas rotativas conseguem pousar. “As aldeias ficam em locais extremamente distantes e isolados. Muitas delas com áreas restritas para aproximação e pouso até mesmo de helicópteros. A região de serras exige que as tripulações façam um planejamento extenso para configurar a aeronave corretamente e colocá-la na potência adequada para a altitude da região. Diversos são os cuidados, tais como manter distância adequada das malocas, atenção à temperatura e altitude das serras e a volatilidade das condições meteorológicas”, explica o Capitão Aviador Leir Gomes de Oliveira.

Segundo o Capitão Leir, operando nessa região, percebe-se que o emprego de aeronaves de asas rotativas é a única opção para a chegada da vacina a essas comunidades indí­genas. “A Força Aérea está fazendo a sua missão, ao integrar as comunidades indígenas, levando tratamento contra a COVID-19 a esses povos que habitam os rincões mais distantes do nosso País”, completa.

Realizar missões humanitárias e de integração nacional, como as da Operação COVID-19, é parte do propósito do Esquadrão Falcão, permitindo que suas tripulações coloquem em prática todas as habilidades e competências que treinam exaustivamente. “Além de contribuir para o controle da pandemia, esse tipo de missão permite aos pilotos e demais tripulantes exercitar todo o treinamento realizado pela Unidade Aérea. Os pousos em localidades remotas exigem planejamento, estudo, julgamento e capacidade de decisão de todos os integrantes da tripulação”, completou o Comandante do 1º/8º GAV, Tenente-Coronel Aviador Wankley Lima de Oliveira.

Atendimento no Médio Solimões

Militares do Sétimo Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (7°/8° GAV) – Esquadrão Harpia, sediado na Ala 8, em Manaus (AM), realizaram no período de 29 de janeiro a 7 de fevereiro, uma missão de apoio à vacinação contra a COVID-19 da população indígena na região do Médio Solimões.

Operando o H-60L Black Hawk, a tripulação decolou de Manaus (AM) com destino a Eirunepé. Na região, ao longo de dez dias de envolvimento, o Esquadrão levou a equipe do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) do Médio Solimões para realizar a aplicação de mais de 800 doses contra a COVID-19, atendendo a 27 aldeias, com as mais diversas etnias, dentre elas: Deni, Kulina, Kanamari e Mawetek. Durante a operação, a tripulação transportou equipes de saúde, onde foi preciso realizar o planejamento, bem como os cuidados específicos com o transporte das vacinas e rigorosos procedimentos de biossegurança para o sucesso da missão.

O Tenente Aviador André Victor Leal Caldeira, piloto que participou da operação, ressaltou os desafios enfrentados. “Apesar das dificuldades geográficas e climáticas, cumprimos a missão. Para que os voos sejam realizados com sucesso é necessário um bom planejamento conjunto com a equipe da saúde. Além disso, é imprescindível que haja sinergia entre a tripulação e os passageiros, para melhor aproveitamento dos meios aéreos”, disse.

O Comando da Aeronáutica está dedicando permanentemente o esforço do seu efetivo e de suas aeronaves, 24 horas por dia e sete dias por semana, em atendimento às necessidades da sociedade brasileira no enfrentamento à pandemia da COVID-19. Confira outras notícias sobre as ações da FAB contra a pandemia.

Voos na Região Norte

O ano de 2021 continua a todo vapor para a Força Aérea Brasileira (FAB). Desde o dia 8 de janeiro, as aeronaves da FAB levam, em suas asas, ajuda àqueles que necessitam de apoio. O envolvimento das aeronaves KC-390 Millennium, C-130 Hércules, C-105 Amazonas e C-99 da FAB, entre outras, na Operação COVID-19, em apoio exclusivo à região Norte do Brasil, ultrapassou, nesta quarta-feira (10), 1.600 horas de voo. As missões para atender ao sistema de saúde da Região Norte, sob coordenação do Ministério da Defesa, como o transporte de cilindros e tanques de oxigênio líquido, além da remoção de pacientes para diversas cidades brasileiras, permanecem ativas.

Ao longo deste período, a FAB realizou diversos voos com destino aos estados de Rondônia, Roraima e Amazonas, tendo o objetivo de suprir as demandas hospitalares de cada local. Com isso, já foram transportadas cerca de 1900 toneladas de carga. Houve, ainda, a necessidade do transporte de pacientes em razão da lotação dos hospitais. De acordo com o Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), que coordena as missões na Operação COVID-19, até esta quarta-feira, foram transportados 628 pacientes.

Na última terça-feira (09), foram realizadas três missões de Transporte Aéreo Logístico: um C-105 Amazonas transportou, da Ala 8, em Manaus (AM), para o Rio de Janeiro (RJ), oito pacientes oncológicos com o objetivo de disponibilizar vagas na rede pública de saúde do estado; carregando 09 tanques de oxigênio líquido, um C-130 Hércules decolou, da Ala 1, em Brasília (DF), com destino a Manaus; já um KC-390 Millennium carregou, na capital federal, onde foi montada uma central de distribuição de oxigênio, 08 tanques de oxigênio líquido, que também foram transportados para o estado do Amazonas. Na segunda-feira (08), um C-99 decolou, da Ala 8, com 18 pacientes e seis profissionais de saúde, para o Rio de Janeiro (RJ).

Para o Comandante da missão do C-99, Capitão Aviador Ricardo Gonçalves de Lima, do Primeiro Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (1º/2º GT) – Esquadrão Condor, atuar na Operação COVID-19 é motivo de satisfação. “É fundamental e importante a realização dessas missões, pois elas ajudam a salvar vidas, e isso nos traz motivação e orgulho. Toda a tripulação está empenhada e dedicada durante os voos”, destaca o Oficial.

Por meio do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), a FAB cumpre as missões que têm como objetivo minimizar os impactos do novo Coronavírus no sistema de saúde de alguns estados do Norte do País. O Transporte Aéreo Logístico da FAB integra as ações da Operação COVID-19, acionada pelo Ministério da Defesa, em uma cooperação com o Ministério da Saúde.

O Comando da Aeronáutica está dedicando permanentemente o esforço do seu efetivo e de suas aeronaves, 24 horas por dia e sete dias por semana, em atendimento às necessidades da sociedade brasileira no enfrentamento à pandemia da COVID-19.

Confira todas as novidades das empresas da BIDS

Fique informado sobre as ações das nossas Forças Armadas e de segurança

 

O post Esquadrão Falcão leva vacinas a aldeias indígenas Yanomami apareceu primeiro em PortalBIDS.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here